ANÉIS, BRINCOS E COLARES
Produtor 
Bijuteria ( Anéis, Colares e Brincos), elaborada a partir da massa polímera, com padrões histórico-culturais e recurso à identidade local e patrimonial. Azulejo Português - Coleção inspirada nos padrões da azulejaria portuguesa, elemento característico da nossa Cultura. A sua utilização é comum a outros países como Espanha, Itália, Turquia, Irão ou Marrocos, mas em Portugal assume especial importância no contexto da criação artística, pela longevidade do seu uso, como elemento decorativo nos interiores dos edifícios e fachadas exteriores sem interrupção durante cinco séculos. A partir dos finais do século XV, foi estimulado o desenvolvimento do azulejo de cerâmica, sendo bastante sentida a presença árabe na Península Ibérica pela permanência de uma prática da Cerâmica, com técnicas arcaicas de corda-seca e aresta, definindo padrões e motivos geométricos. Calçada Portuguesa- Coleção inspirada na calçada portuguesa, tal como o nome indica, é originária de Portugal e surgiu por volta de 1500 pela mão do Rei D. Manuel I. Esta arte resulta do calcetamento com pedras de formato irregular, de calcário e basalto, que são usadas para formar padrões decorativos pelo contraste criado entre as pedras pretas e brancas e o conceito de pavimentação está aliado a uma certa mentalidade romântica, onde se afirma o valor do nacionalismo, que se vai expressar na busca do passado de signos, fatos e mitos considerados marcos fundamentais da história de Portugal e da construção da identidade nacional. São utilizados por isso na calçada portuguesa padrões e elementos decorativos tipicamente portugueses, relacionados com atividades socio económicas, peixes, frutos, cereais, animais, artesanato e sobretudo o período dos Descobrimentos marítimos onde pontificam caravelas, sereias, cordas, conchas, ondas do mar, estrelas e esferas armilares. Montanhac - Esta é uma coleção inspirada nos padrões das mantas alentejanas produzidas pela “Cooperativa Oficina de Tecelagem de Mértola”. Montanhac é um padrão de pequenos losangos e pode ser de dois tipos. Este é o denominado como Montanhac Olho-de-perdiz, que forma pequenos losangos inteiros e é o padrão mais nobre e que menos tecedeiras sabiam fazer. É também, como seria de esperar, o padrão que tem a remissa mais complicada, sendo também o mais confuso de tecer.

Partilhe com quem mais gosta