A nossa região

Para a maior parte dos que visitam o Algarve, é ainda dominante a tendência para associar a região a um destino de férias à beira-mar, ao calor que não falta na época estival, às praias de areia fina, ora extensas e planas, ora anichadas entre arribas vertiginosas, e à esquisita gastronomia baseada no que o mar generosamente oferece. 

No seu percurso para o Sul, ao deixar para trás as planuras do Baixo Alentejo, o viajante depara-se com as duas barreiras naturais que separam o Algarve do resto do país: as serras do Caldeirão, ou Mu, na zona oriental e central, e a de Monchique, mais para ocidente. Ultrapassados pelo meio os acidentados e xistosos terrenos do Caldeirão, com os seus inúmeros cerros e pequenos vales, o sobe e desce serrano dá lugar a um suave declive que, agora marcado pelas terras mais férteis do Barrocal, cruza a orla costeira e mergulha num Atlântico de magrebinas ressonâncias.

O património a visitar é extenso, desde o castelo situado na freguesia de Paderne, às Ruinas Romanas de Milreu em Estoi e o seu Palácio, ou a Igreja Matriz de São Brás de Alportel, as fontes Grande e Pequena de Alte, a Fonte da Benémola em Querença, as Casas Circulares, em Cachopo, as chaminés rendilhas por todas as aldeias, e muito mais a conhecer. Recomendam-se ainda os percursos pedestres pelos antigos caminhos rurais.

Os produtos locais estão representados pelos trabalhos de empreita, esparto, abegoaria, cantaria, madeira e cerâmica (tijolo de burro, telha artesanal). 

A não perder as provas de aguardente de medronho, mel, queijo, enchidos, o pão e a doçaria tradicional, feita com amêndoa, figo e alfarroba. 

A cortiça, a azeitona e o azeite são produtos de excelência.

Tudo boas razões para nos visitar!